top of page

Você sabe o que são Suítes na Dança Circular?

Atualizado: 23 de dez. de 2022


Composição de Temas
Composição de Temas

Você sabe o que são Suítes na Dança Circular?


As Suítes na dança circular são formações coreográficas que contam uma história ou fazem ligações temáticas através de danças criadas com essa finalidade. Livros, contos, lendas e folclore são alguns dos instrumentos que servem de base para o encadeamento de danças que criam uma ligação entre os personagens ou tema das suítes.


O estilo faz parte das atividades do Metamorphösis e em nosso curso “Arte e Movimento”, é um dos temas abordados e trabalhados com os alunos. No curso é apresentada uma pequena suíte, como incentivo para que todos desenvolvam seu próprio estilo, particularmente com coreografias autorais.


Alguns coreógrafos se dedicam a esse estilo de dança e no Brasil uma das mais conhecidas é Renata Ramos, criadora da suíte “Os Doze Trabalhos de Hércules”, entre outras. Também Cristiana Menezes criou algumas suítes dentre elas “A História de uma Folha”, que tem como base texto homônimo de Leo Buscaglia. No cenário internacional uma das mais conhecidas é Nanni Kloke, titular da Akademie für Bewegung & Bewusstsein. Em seu acervo estão suítes como “O Pequeno Príncipe” baseada no livro do mesmo nome de Antoine de Saint-Exupéry e “Gênesis” com base no primeiro livro da Bíblia que descreve a criação do mundo, as quais dançamos com a própria coreógrafa em São Paulo e Rio de Janeiro e com William Valle em Curitiba.


O termo Suíte, de origem francesa que significa série ou sucessão, refere-se a um tipo de composição musical que consiste numa sucessão de peças ou de andamentos instrumentais - geralmente danças. A origem deste tipo de composições situa-se nas músicas de dança da Idade Média que associavam danças de carácter contrastante.


No Século XIV os compositores renascentistas usavam o estilo suíte como forma de emparelhar danças. Estas associações eram formadas por uma dança lenta em compasso binário e por uma dança rápida em compasso ternário, evoluindo posteriormente para séries de três danças em que as peças podiam ou não manter uma relação temática.


O sucesso deste estilo teve grande influência de Johann Sebastian Bach com suas suítes barrocas e, também pela popularidade do ballet francês que criava peças formadas pela extração de árias ou danças pertencentes a obras teatrais. Estas suítes podiam incluir andamentos de uma única obra ou de diversas.


A partir de meados do século XVIII, devido ao sucesso das sonatas, as suítes orquestrais de dança quase desapareceram, porém tiveram novo impulso com compositores como Tchaikovsky e seus balés como Romeu e Julieta, O Quebra Nozes, O Lago dos Cisnes; Debussy que escrevia poemas sinfônicos como o tríptico Les Nocturnes/Nuages (nuvens), Fêtes (Festas), Sirènes (sereias); e La Mer que recebeu uma versão moderna com o nome Beyond the Sea, para tema do filme “Procurando Nemo”; e Stravinski que criava peças orquestrais como O Pássaro de Fogo e Sagração à Primavera, baseadas no folclore russo.


Com o passar dos séculos, a suíte passou a significar uma coleção de peças do mesmo estilo temático. Um exemplo moderno (década 1960) desse tipo de suíte é o chamado rock progressivo, onde as composições misturavam estilos musicais diferentes, criando álbuns conceituais que contavam uma história ou possuíam alguma ligação temática entre suas faixas, da mesma forma como são feitas as suítes da dança circular.


Fontes bibliográficas

Wikipedia

Enciclopédia do Rock Progressivo de Leonardo Nahoum

Apostilas das suítes “O Pequeno Príncipe” e “Gênesis”

https://www.infoescola.com/musica

https://conscienciaprospera.com.br/os-12-trabalhos-de-hercules-renata-ramos/

https://www.cristianamenezes.com.br


17 visualizações
bottom of page